sexta-feira, 3 de fevereiro de 2012

Iemanjá - a Rainha do Mar!





Oh! Iemanjá, sereia do mar.
Canto doce, acalanto dos aflitos.
Mãe do mundo, tenha piedade de nós.

Benditas são as benções
que vem do teu reino.
Meu coração e minha alma se
abrem para receber as suas bênçãos.
Mãe que protege, que sustenta,
que leva embora toda dor.
Mãe dos Orixás, mãe que cuida
e zela pelos seus filhos
e os filhos de seus filhos.
Iemanjá, tua luz
norteia meus pensamentos
e tuas águas lavam minha cabeça!
Esteja sempre perto de nós!





Quando vi esta cena, não resisti: 
Pedi a Paulo pra registrar pra mim!


 Recebendo uma benção do pai de santo...
como disse uma amiga, a Fátima,
era uma Angolana, vestida de baiana com cara de turista!
Rsrsrsrsrsrs!


 Minha filhota também recebeu a benção!



 Jogando flores para Iemanjá pedindo bençãos para meus amigos queridos que estão longe, especialmente por Bete e atendendo a um pedido de Purita na Argentina, para uns amiguinhos de Maria que lutam por suas vidas, para outros que fazem aniversário no dia dela, meu primo Jorge e meu amigo Rogério Teles e especialmente para uma pessoinha muito querida que está esperando uma bebê mais especial ainda, a minha GUIDINHA!!!
Que Iemanjá vos proteja a todos e a nós de cá também!!!


 Óia o estado que fiquei, quase nua, rsrsrsrs com essa calça molhada que ficou transparente!!!! Mas valeu a pena!


 Alice homenageou Iemanjá assim, chinelo branco e lencinho azul!



 Quantas flores!!! 
E o cheiro de lavanda no ar estava "exuberante"!!!



 Tive o prazer de encontrar Reginaldo Hollifield... bem recuperado graças a Deus! Fiz questão de conversar com ele! Que figura!!! Que Deus o abençoe sempre!






.

Meu trabalho é a expressão de minha vida!

Nas linhas da memória pincelo novos caminhos, dou cor e rosto a um tempo.

É através da arte que reconstruo um mundo plural - possível onde todos se entrelaçam numa dança única.

Busco o entendimento diante da Natureza.
Sou uma Portuguesa, nascida em Angola, vivendo no Brasil.

Carrego a esperança de que através do mistério das mandalas e do reaproveitamento de materiais, por meio da reciclagem, podemos reconstruir os laços que unem estas nações e neste olhar, dar lugar a uma nova consciência, preocupada com as questões do mundo em que vivemos.

Por isso uso minhas mãos, minha sensibilidade, minha arte para mostrar minha esperança...
Esperança de que tudo possa ser revertido.
Que o ser humano de hoje, se respeite e respeite o direito à vida dos que vêm depois...

Quando crio, sempre deixo minha arte ser o espelho da minha alma...

Uso minha sensibilidade, para revelar vivências profundas e refazer caminhos junto da Natureza...

Este é meu grande desafio:
Ser várias nações, uma colcha de "re-atalhos"...

Guidha Cappelo